Lars Lau Raket

Trabalhar para compreeender o Puzzle do Cérebro

Como juntar um puzzle em que faltam peças, cores e formas? Apresento-lhe Lars, especialista senior em ciência biométrica, para descobrir como se trabalha com diferentes departamentos, dados e métodos para desvendar algumas destas incógnitas.

Lars Lau Raket

Dinamarca

Número de anos na Lundbeck: 3,5

Nacionalidade

Dinamarquesa

Profissão

Especialista senior, Ciência Biométrica

Descreva o seu trabalho

Trabalho em interligar conhecimentos médicos e biológicos com diferentes tipos de dados e métodos analíticos para melhorar a nossa compreensão do cérebro. Mas as doenças cerebrais são incrivelmente complexas, por isso isto é muitas vezes semelhante a fazer um enorme puzzle com muitas peças em falta – e algumas peças podem até não ter forma ou cor. Quando colaboramos entre departamentos, às vezes podemos reunir peças de puzzle suficientes para ter uma ideia de como é o panorama geral. Esses são os momentos mais satisfatórios do meu trabalho. 

Descreva a sua experiência na Lundbeck

In my time at Lundbeck, I have had the opportunity to work in different departments which has given different perspectives on the drug-development process. Starting as a biostatistician, I got hand-on experience about designing and conducting clinical studies. Before moving to my current role, I worked as a data scientist in bioinformatics which taught me about the genetics of brain disease and how omics data can be used in drug discovery and in clinical studies.

Durante a minha experiência na Lundbeck, tive a oportunidade de trabalhar em diferentes departamentos, o que proporcionou diferentes perspetivas sobre o processo de desenvolvimento de fármacos. Começando como biostatista, tenho experiência prática sobre desenhar e realizar estudos clínicos. Antes de passar para a minha função atual, trabalhei como cientista de dados em bioinformática que me ensinou sobre a genética da doença cerebral e como os dados "omics" podem ser usados na descoberta de fármacos e em estudos clínicos.

Qual é a melhor parte de trabalhar na Lundbeck?

A melhor parte de trabalhar na Lundbeck é que posso trabalhar em problemas altamente complexos com colegas de trabalho incrivelmente talentosos – e persistir apesar dos contratempos por saber que o trabalho acabará por levar a uma vida melhor dos doentes que vivem com doenças cerebrais. 

Como descreveria a cultura Lundbeck?

Lundbeck tem uma cultura de pequenas empresas, apesar de ser uma grande empresa. O ambiente é informal e de confiança, e rapidamente conhecerás colegas de toda a organização. 

Mais histórias da Lundbeck

Maria Dalby

O Sentimento de Pertença e a Cultura na Lundbeck

Pablo Martín-Gago

Por quê Copenhaga e por quê Lundbeck