Colleen Henderson Heywood

Ajustar-se a uma nova realidade

Colleen tinha 42 anos e vivia a toda a velocidade quando reparou que os dedos dos pés começaram a enrolar-se. Quando lhe foi diagnosticada a doença de Parkinson alguns meses depois, decidiu mudar completamente a sua vida.

Coleen Henderson Heywood

Reino Unido

42 anos 

Employment

Oradora em conferências de Parkinson e participa em várias Comissões da Sociedade de Doenças de Parkinson do Reino Unido.

Diagnóstico

Diagnosticada com Doença de Parkinson aos 42 anos de idade.

Numa tarde chuvosa, Colleen Henderson-Heywood estava sentada no carro à porta do consultório de um especialista. Após nove meses de consultas com especialistas, tinha acabado de receber a notícia de que tinha a doença de Parkinson. "Decidi que a doença seria autorizada a roubar-me apenas um dia", explica Colleen.

 

O primeiro sinal de que algo não estava bem com o corpo da Colleen foi quando os dedos do pé direito começaram a enrolar-se. "Passei três semanas no México a usar chinelos e pensei que iriam endireitar-se. Mas não conseguia manter  sapatos no pé direito – o pé acabava por lançar o sapato pelo ar", conta. Na verdade, Colleen escolheu ignorar o pé direito.

Quatro ou cinco meses depois, estava em Barcelona, parada do outro lado da rua de um café a que queria ir. "Parti na direção do café, mas não me mexo. Fiquei presa. Continuei a enviar o sinal ao meu corpo para ir até ao café, mas não conseguia mexer a perna direita", recorda Colleen. "Depois disto, finalmente fui ao meu médico. Este disse-me que não fazia ideia do que se passava comigo, mas que iria iniciar um processo de despistagem." Colleen fez, entre outros exames, um DAT scan1, que é usado para diagnosticar a doença de Parkinson.

 


"O especialista ligou-me e pediu-me para vir à consulta. Pediu-me para me sentar. "Não, só quero saber agora." "Tens a doença de Parkinson", disse ele. Eu respondi: 'Graças a Deus é isso! Pelo menos agora sei que posso continuar com a minha vida e que o Dr. pode fazer algo por mim." O otimismo inicial de Colleen sofreu, no entanto, um golpe: "Pensei erradamente que haveria um tratamento que resolvesse tudo; que eu teria medicação que me permitiria andar normalmente. Infelizmente, este não era o caso.“

Colleen descreve os sintomas: "Acordei às quatro da manhã e fui muito lenta para começar. Tenho de sair da cama porque o meu corpo não se mexe muito bem. E assim que saio do meu ambiente, torna-se um desafio. Às vezes não consigo andar porque o meu cérebro não diz ao meu corpo para andar. Mas posso enganá-lo andando para trás ou para os lados e depois voltar à carga."

"Não penso conscientemente na minha doença. Está ao meu lado, não na minha frente. Só quando tomo a minha medicação é que me lembro que sou uma doente." Coleen Henderson Heywood

A Colleen tem a missão de tentar mostrar às pessoas com doença de Parkinson que não devem sentir que perderam a vida. Ela põe em prática a sua missão falando como doente nas conferências de Parkinson e sentando-se em vários comités consultivos para a Sociedade de Doenças de Parkinson do Reino Unido.

Mais histórias de Lundbeck

Carlos Santilliana Castillos, viver com enxaqueca

Tão perfeito, Tão Vulnerável

Maria Liv Kjærgaard, viver com esquizofrenia

São apenas pensamentos