Doença de Parkinson

A Doença de Parkinson é uma doença progressiva que implica uma perda gradual de células nervosas numa área específica do cérebro, dando origem a problemas no controle de movimentos e a outros sintomas não relacionados com o movimento.

Casal a dançar

Doença de Parkinson - resumo
A Doença de Parkinson é uma perturbação cerebral progressiva e prolongada que afecta, mais comummente pessoas com idade acima dos 60 anos.1 Pessoas com Doença de Parkinson têm dificuldade em controlar os seus movimentos corporais e os sintomas pioram com a progressão da doença. Em última análise, a Doença de Parkinson prejudica a capacidade do doente em funcionar em situações da vida diária.
Os sintomas da Doença de Parkinson resultam da perda de células nervosas no cérebro que afectam o controle do movimento, bem como outras áreas, tais como o humor, o sono e o pensamento. A causa exacta da perda de células nervosas não é conhecida, mas acredita-se que envolva uma combinação de factores genéticos, ambientais e de envelhecimento.2

Sintomas
Os sintomas clássicos da Doença de Parkinson - os chamados 'motores' (relacionados com o movimento) - incluem tremores, lentificação de movimentos, rigidez muscular e problemas de equilíbrio. Além disso, os sintomas não motores também são comuns, por exemplo, depressão, demência, dor, perturbações do sono e disfunção em sistemas autónomos do corpo (digestão, pressão sanguínea, etc.). Todos estes contribuem consideravelmente para o fardo associado a esta doença.
A Doença de Parkinson é uma doença progressiva e, ao longo do tempo, vão aparecendo novos sintomas enquanto os sintomas existentes se agravam lentamente. No entanto, não é uma doença terminal – as pessoas podem viver mais cerca de 15 a 25 anos, a partir do momento de diagnóstico - o que a torna numa doença crónica prolongada.

Estatísticas
A Doença de Parkinson é uma das perturbações neurológicas (células nervosas) mais comuns. Em 2004, terá afectado aproximadamente 5,2 milhões de homens e mulheres em todo o mundo,3 com 4 a 20 novos casos notificados por cada 100.000 pessoas por ano.4
A Doença de Parkinson surge normalmente em pessoas com idades entre os 50 e os 60,1 embora possam surgir formas mais raras da doença em indivíduos com idades inferiores a 40 anos.5 Um estudo envolvendo cinco países europeus revelou que 1,6% da população com 65 anos ou mais, tivera Doença de Parkinson.6
Como o risco de desenvolver Doença de Parkinson aumenta com a idade, o facto de existirem agora mais pessoas a viverem a sua velhice significa também que o número total de pessoas com Doença de Parkinson está a aumentar.7

A procura de diagnóstico e tratamento
Actualmente, não existe qualquer cura para a Doença de Parkinson, mas uma vez feito o diagnóstico por um profissional médico, os sintomas podem, na maioria dos casos, ser tratados com eficácia. O objectivo do tratamento é controlar e aliviar os sintomas, de modo a que as pessoas possam continuar a funcionar e desfrutar de uma qualidade de vida razoável durante o maior tempo possível.
O tratamento para a Doença de Parkinson implica normalmente utilização de medicamentos e, em alguns casos, a cirurgia. Além disso, o exercício físico, dieta, terapias complementares, apoio emocional e relações fortes, todos desempenham papéis importantes. Compreender a Doença de Parkinson, adaptar-se a uma nova situação na vida e aprender a aceitar novas metas e desafios, são factores quase tão importantes como a gestão prática da doença.
Uma pessoa com Doença de Parkinson não deve ter medo de pedir ajuda, e é muito importante que receba aconselhamento médico especializado.

Referências
1 Cognos Report: Parkinson’s disease. 2006.
2 Morgan JC, Sethi KD. Emerging drugs for Parkinson’s disease. Expert Opin Emerg Drugs 2006; 11 (3): 403–417.
World Health Organization. The global burden of disease. 2004 update. Consultado 06/09/11.
4 Datamonitor Stakeholder Opinions: Parkinson’s disease. 2006.
5 Grimes DA. Parkinson’s disease: a guide to treatments, therapies and controlling symptoms. London: Constable & Robinson Ltd, 2004.
6 de Rijk MC, Tzourio C, Breteler MM, et al. Prevalence of parkinsonism and Parkinson’s disease in Europe: the EUROPARKINSON Collaborative Study. European Community Concerted Action on the Epidemiology of Parkinson’s disease. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1997; 62 (1): 10–15.
7 Cognos Report: Parkinson’s disease. 2004.

Está prestes a sair de lundbeck.pt